.

NOTICIAS

NOTÍCIAS

Ministério da Saúde planeja incluir medicina indígena no SUS

Fernando Frazão/Agência Brasil

A Secretaria de Saúde Indígena (Sesai), vinculada ao Ministério da Saúde, instituiu um Grupo de Trabalho para elaborar uma proposta de programa em medicinas indígenas no Subsistema de Atenção à Saúde Indígena — braço do Sistema Único de Saúde (SUS). A medida foi publicada em portaria no Diário Oficial da União desta quarta-feira (24/1).

O Grupo de Trabalho terá duração de doze meses e terá que organizar e sistematizar propostas de planos e ações relacionadas às medicinas indígenas. O grupo será composto por dez representantes da Secretaria de Saúde Indígena, assim como integrantes das diferentes unidades do Ministério da Saúde, governos estrangeiros, órgãos, entidades públicos e privados, organizações não governamentais e especialistas.

As reuniões do Grupo de Trabalho de Medicinas Indígenas (GT/MI) serão feitas presencialmente ou por meio de videoconferência. Os integrantes se reunirão bimensalmente. Criada em 2010, a Secretaria de Saúde Indígena é responsável por coordenar e executar a Política Nacional de Atenção à Saúde dos Povos Indígenas e atende mais de 762 mil nativos aldeados em todo o Brasil.

A Sesai conta com mais de 22 mil profissionais de saúde, sendo que 52% destes são indígenas, e promove a atenção primária à saúde e ações de saneamento, de maneira participativa e diferenciada, respeitando as especificidades epidemiológicas e socioculturais dos povos originários. A chamada medicina indígena corresponde aos conjuntos de práticas e saberes tradicionais que perpassam gerações.

O contato forçado com pessoas não-indígenas e o fato de que muitas comunidades vivem em locais remotos de difícil acesso agravam a saúde indígena no Brasil. É o caso do povo Yanomami, que é assolado pela malária e por condições como desnutrição e contaminação causadas pelo avanço do garimpo ilegal no território. Dados do Ministério da Saúde apontam que foram registradas 308 mortes de ianomâmis em 2023. No ano anterior foram 343 mortos.

Compartilhe:

WhatsApp
Facebook
Twitter
LinkedIn

CONTATO